Recados


101 Coisas

Proposta inspirada na obra de Isabel Zambujal e de Pedro d’Aguiar

 

A propósito deste livro cheio de desejos secretos e divertidos, lançámos as nossas ideias… Ainda estamos a tempo de  fazer estas coisas… Não tarda muito já estamos crescidos e…  Acabou-se!

 

Saltar na cama até a mãe ouvir as molas a chiar…

Deixar o gato dormir ao fundo da cama…

Jogar computador às escondidas, deixando a mãe a pensar que estou a estudar…

Fazer umas quantas asneiras e dizer à mãe que foi o meu irmão o culpado… (Ele é mais novo, não se atreverá a desmentir-me!)

Miguel Jesus, 5º B

 

Passar a manhã na cama até à hora que me apetecer;

Entrar nos quintais dos vizinhos enquanto brinco aos polícias e ladrões;

Ligar para números de telefone à toa e deixar as pessoas “penduradas”…

Tocar às campainhas e fingir-me de “santinho”.

Bruno Marques, 5º B

 

Comer todas as guloseimas do armário, às escondidas da mãe;

Rebolar na relva com o meu cão e sujeitar-me a apanhar uma carrada de pulgas;

Rapar, com o dedo, a massa do bolo que ficou agarrada às paredes da taça e lambuzar-me todo.

Paulo Esteves, 5º B

 

 

25_de_abril_de_1974_thumb2

 

DAR ASAS A QUEM ANSEIA POR LIBERDADE…

arbre-et-feuilles1

Sou uma folha que ficou presa à nascença… O meu sonho é ser livre , voar como um pássaro nas nuvens e no céu azul, correr o mundo, ver paisagens bonitas e respirar ar puro e fresco.

Não quero ser mais prisioneira numa árvore velha; não quero estar sozinha na escuridão das noites frias e desertas. Chega de solidão e desta amargura. Vou soltar-me para conhecer novas paragens, fazer novas amizades para além do tempo e do espaço. Chega de ser prisioneira!

 

Rogério Coelho, 7º A – Um voluntário que deu os primeiros passos nos caminhos da liberdade da Escrita Criativa!

 

caracol2Também eu me queixo, quero ser livre e comer couves à vontade, quero livrar-me desta concha que carrego desde que me conheço, é um peso que nem calculam…

Sonho ir até ao país do sol nascente, devagarinho… devagarinho… devagarinho… deixando a minha baba pegajosa ao longo do trajecto, para não me esquecer do caminho de volta.

Bruno Marques, 5º B

 

cao-com-trela

Ai, se eu pudesse andar solto… livrava-me desta trela …  ia à caça sem dia marcado. Ai, como adoro correr atrás dos coelhos!… Brincava com os outros cães, farejava aqui e ali, pulava, rebolava na relva, carregava-me de carraças… Que me importava eu! Andava livre, era o que queria…

 

Miguel Jesus, 5º B

 

barco_pesqueiro2

Livrem-me destas amarras! Quero ser livre, navegar ao sabor das ondas, sentir-me empurrado pelo vento, visitar novos portos, atracar em cais famosos, ancorar noutras paragens, ir até ao fim do mundo.

Quero passear pelos canais de Veneza, transportar pares de namorados, que trocam o tempo por sonhos,  e, à noite, flutuar sob o luar…

Paulo André Esteves, 5º B

 

 

menina_lendoPai, imagina que os papéis se invertiam… e hoje, só hoje, eras meu filho. Vamos ver o que tinha para te dizer enquanto teu pai…

Joaquim, tem juízo, rapaz. Nem mais um cigarro na mão ou acabam-se os jogos de futebol na televisão!

Não te quero meter medo, mas ordeno-te: levanta-te mais cedo!

Os teus pais tens de ajudar, porque a vida não tem jeito de melhorar…

Fica a saber que aprecio o teu sentido de humor, enches os dias de cor!

Bruno Marques, 5º B

António, que belo filho me saíste! Continua a ser trabalhador e a acompanhares-me para todo o lado. És o melhor do mundo!

Miguel Jesus, 5º B