puzzles de histórias


I- Em tempos que já lá vão…

II- No alto mar…

III- Um caçador

IV- A amizade…

V- Barco

VI- Peixe que fala…

VII- Gigante

 

 

cacador01

 

 

orco_gigantepeixe8barco2

Em tempos que já lá vão, um caçador passeava de barco no alto mar.

Decorrido algum tempo, avistou um peixe aos quadradinhos amarelos e verdes. Era realmente diferente de todos os que já vira e, para sua surpresa, falava.

– Queres ser meu amigo? – perguntou.

O caçador ficou pasmado, mas aceitou e fez amizade com o peixe.

Terminado o passeio, ao cair da noite, quando regressava a casa, avistou um vulto enorme. Julgando ser um urso, sacou da espingarda que trazia sempre consigo e Pum! Acabou-lhe com a raça. Era, afinal, o gigante da floresta.

Fora de água, o peixe não sobreviveu. O caçador aproveitou o momento (era hora de jantar), fritou-o e comeu-o com a famíla.

 

Miguel Jesus e Bruno Marques, 5º B

Anúncios

Com a ajuda de um mapa, os miúdos criativos desvendaram os caminhos de uma boa história.

Era uma vez um rapaz de 18 anos que foi à biblioteca da sua terra. Ele adorava ler.

treasure_mapQuando ia a tirar um livro da estante, deu-lhe um toque e a estante desviou-se. Lá atrás, encontrava-se uma múmia que falava.

A múmia disse-lhe que havia um grande tesouro no Egipto. E aventuraram-se os dois a ir à procura do tesouro.

Pelo caminho, a múmia lembrou-se que tinha um mapa debaixo das ligaduras e assim foi mais fácil encontrar o tesouro. Estava dentro de uma pirâmide.

A múmia e o rapaz dividiram o tesouro e ficaram bastante ricos. Viveram bem até morrer. Mas esperem, a múmia nunca morre, portanto viveu feliz para sempre.

Diogo Pascoal, 5º B

O João estava numa biblioteca. Por detrás de uma estante encontrou um cálice de ouro que tornava calice4as pessoas invisíveis.

De repente, foi transportado para uma floresta. Lá encontrou um extraterrestre acabadinho de chegar na sua nave. Ele levou o João para um planeta longínquo.

David Antunes, 5º B

pes

Um polícia andava à procura de um extraterrestre.

Um dia, foi dar um passeio e encontrou uma floresta mágica. Lá viu um extraterrestre a apanhar maçãs. Seguiu-o e viu-o entrar numa nave toda branca e entrou atrás dele. A nave tinha sofás confortáveis e uma Playstation2 com o jogo PES 2009. O polícia começou logo a jogar: Sport Lisboa e Benfica contra o Sporting. O Benfica ganhou 10-2.

Como o polícia gostou tanto daquela nave, foi com o extraterrestre para um planeta longínquo e ficou lá a viver para sempre.

Eduardo Urbano, 5ºB

cartas_diogo

Num brilhante dia de Outono, numa verdejante planície, um príncipe queria descobrir um segredo.

O príncipe foi, no seu cavalo branco, à procura do segredo. Pelo caminho, encontrou uma fada que se ofereceu para o ajudar.

Mais à frente, encontraram um poderoso gigante. A fada lançou-lhe um feitiço e ele ficou todo atado no meio do chão.

Um velho sábio, que conhecia o segredo, revelou-o ao príncipe que assim conseguiu o que queria.

O segredo era que, no futuro, o príncipe ia conquistar o mundo inteiro.

Diogo Pascoal, 5º B

cartas_ruben

Num chuvoso dia de Inverno, no alto mar, um lenhador queria um remédio para a constipação.

Partiu no comboio das 11, em busca de uma farmácia. Encontrou um génio bom que lhe indicou o caminho para a farmácia mais próxima.

De repente, apareceu um génio mau que fez desaparecer o remédio. Mas o génio bom conseguiu fazer outro e o lenhador curou a sua terrível constipação.

Ruben Ferreira, 5º B

cartas_eduardo

Em tempos que já lá vão, num jardim maravilhoso, uma princesa sonhava com o amor.

Um dia, foi num camelo dar a volta ao mundo e encontrou uma chave mágica. Pouco depois, apareceu um pirata que queria roubar a chave, mas a princesa lutou com valentia e matou o pirata.

A chave abria a porta do amor. Lá dentro encontrou um belo príncipe chamado Diogo. Casaram e foram muito felizes.

Eduardo Urbano, 5º B

cartas_david

Certo dia de Primavera, numa pobre choupana, um caçador andava à procura dum objecto precioso.

Como ali não havia nada, meteu-se numa máquina do tempo e foi até Abrantes. Pelo caminho, encontrou um fantasma que o ajudou.

Mais à frente, encontrou um gnomo malvado que enfrentou o fantasma. Só que o fantasma deu-lhe uma chapada nas bochechas.

E, no fim, o caçador encontrou o objecto que era uma taça de ouro e pedras preciosas.

David Antunes, 5º B

cartas_joao

Numa noite escura e fria, no alto de uma montanha, uma donzela sonhava com um tesouro.

Ela foi, numa nave espacial, procurar esse tesouro.

Encontrou uma velha que lhe disse que podia ajudar. Depois encontrou um feiticeiro malvado, mas a velha bateu-lhe com o cajado e matou-o.

A donzela encontrou o tesouro no bolso do feiticeiro.

João Marchante, 5º B

Esta actividade foi realizada com recurso às cartas “Fábrica de Histórias” da Editora Asa.

Baralhar e tirar à sorte. Que cartas te calharam?

cartas_raquelHá muitos, muitos anos, num belo palácio, vivia um índio que queria um livro mágico. Para o conseguir, teve de voar num pássaro até África. Quando lá chegou, encontrou uma múmia que lhe disse:

– Não podes passar!

Então, o índio encontrou uma espada mágica no chão e enfrentou a múmia que fugiu. O índio encontrou o livro mágico enterrado num monte de areia.

Raquel Duarte, 5º A

cartas_vanessa

Em tempos que já lá vão, num jardim maravilhoso, havia uma princesa que queria um tesouro. Para o encontrar, comprou um camelo e foi até à China.

Como andaram durante muito tempo, a princesa apanhou uma doença, uma amigdalite, na Grécia. Mas ela tinha um génio bom e chamou-o para a vir salvar. O génio bom resolveu dar um xarope à princesa. Assim que lho deu, ela ficou boa.

Como viu que estava melhor, seguiu para a China. Quando chegou, na primeira terra onde parou, encontrou logo o tesouro: um saco cheio de pérolas.

Vanessa Marques, 5º A

cartas_carolina

No tempo em que os animais falavam, numa ilha perdida no oceano, apareceu um extraterrestre à procura da amizade.

Ele viajou numa jangada até Angola. Lá encontrou uma bruxa terrível que lhe lançou um feitiço e o transformou num rato falante.

Ele andou pelas ruas perdido a falar sozinho até que, um dia, encontrou um menino que o quis ajudar. O menino era mágico, quando pegou no rato, ele voltou a ser extraterrestre.

O extraterrestre agradeceu ao menino e foi assim que encontrou a amizade.

Carolina Matos, 5º A

Esta actividade foi realizada com recurso às cartas “Fábrica de Histórias” da Editora Asa.