novas versões


BRANCO

(versão original)

A neve que cai do céu,

como brancas penas d’asas

já pôs um branco chapéu

no cocuruto das casas.

 

E sobre a terra com frio

estende um lençol macio.

 

A neve é da cor da cal,

das pombas do meu pombal

e do sal,

o rei da mesa.

Branco é pureza;

toalha de baptizado,

véu de noivado.

 

 

BRANCO

(versão do Jorge Barrocas, 5º B)

 

 

A neve que cai do céu,

vem muito devagar…

já pôs um branco chapéu

para depois ir voar.

 

E sobre a terra com frio

dá-me cá cada arrepio!

 

A neve é da cor da cal

(e já pintou o meu quintal)

e do sal,

que sabe tão mal…

Branco é pureza,

lembra, de certeza,

véu de noivado. 

                              Jorge Barrocas

OS GOSTOS DE BRIOLANJA

(versão original)

                                                       A princesa Briolanja

                                                       gostava muito de canja

                                                       e de sumo de laranja.

                                                       No dia do casamento,

                                                       num estremecimento,

                                                       em vez de um palácio

                                                       pediu uma granja,

                                                       para nunca sentir falta

                                                       de sumo de laranja

                                                       nem do caldinho de canja,

                                                       coisa que na Corte

                                                       nem sempre se arranja.

                                                                          

                                                                            LETRIA, José Jorge,

OS GOSTOS DE BRIOLANJA

(versão do Bruno Marques, 5º B)

princesa2

A princesa Briolanja

gosta de bolachas

 e de sumo de laranja.

Um dia,

num estremecimento,

ralhou, exaltada,

 pediu uma granja,

 e uma taça

 de sumo de laranja.

 Foi mais um capricho fenomenal,

coisa que na corte

 é habitual!

                                                     Bruno Marques

OS GOSTOS DE BRIOLANJA

(versão do Miguel Jesus, 5º B)

A princesa Briolanja
gosta de clementinas
 e de sumo de laranja.
Certa manhã,
num estremecimento,
acordou a comer toranja,
 pediu uma granja,
e um copo cheio
 de sumo de laranja.
Decerto não há
coisa que na corte
não lembre a laranja!

 

                                                Miguel Jesus

 

 

 

 

 

VERMELHO

(versão original)

Mal o sol se levanta,

sobre o telhado

encarnado

o galo canta.

A crista dele é vermelha

como a telha,

como a papoila do prado.

 

E lá vai o Capuchinho,

à voz do cocorocó,

levar o almoço à avó,

num cestinho.

 

Fez das cerejas vermelhas

uns brincos para as orelhas.

 

Queres um conselho?

Esconde em cima do armário

esse peixinho vermelho

a nadar no aquário.

Não vá o teu gato vê-lo,

molhar a pata… e comê-lo!

 

Vermelho é cor de alegria

– Bom dia!

 

VERMELHO

(versão do Paulo Esteves, 5º B)

 

 

Mal o sol se levanta,

o galo

encarnado

canta.

A crista dele é vermelha,

é todo encarnado

como a papoila do prado.

 

E lá vai o Capuchinho,

com uma cesta,

levar o almoço à avó,

que, de tão doente, até mete dó.

 

Fez das cerejas vermelhas

um belo almoço.

 

Queres um conselho?

Vê-te ao espelho;

esse peixinho vermelho,

tira-o da camisola,

Não vá o teu gato vê-lo,

e atacar-te para comê-lo!

 

Vermelho é cor de alegria

Mas que grande fantasia!