Janeiro 2009


Vamos fazer um jogo? Quantas palavras consegues cruzar com estas letras que te vou dar?

leque, letra, ti, li, Lina, uva, lua, ui

Uma menina chamada Lina usava sempre um leque. Ela tinha um gatinho chamado Lua.

A menina tinha um amigo muito especial. Um dia, disse-lhe que gostava dela e a menina respondeu:

– Também gosto de ti.

A Lina estava a ler um livro. Numa página só havia uma letra. Ela disse ao amigo:

Li um livro sobre uma uva.

Ui, esse livro deve ser grande!

David Antunes, 5.º B

scrabble

isso, fato, raso, dar, fado, amar, sei, rei, ui

Era uma vez um rei que cantava fado. Sempre que o cantava, usava um fato de primeira classe. O rei dizia sempre:

Ui, eu sei cantar muito bem. Não vou dar a minha voz a ninguém. Todos vão amar as minhas canções.

Uma vez, disse isso para um criado mas, como estava a olhar para trás, caiu num tanque raso de água.

O criado “pescou-o” e, quando saiu da água, o rei estava tão rouco, tão rouco que nunca mais cantou.

Diogo Pascoal, 5.º B

Anúncios

I- Em tempos que já lá vão…

II- No alto mar…

III- Um caçador

IV- A amizade…

V- Barco

VI- Peixe que fala…

VII- Gigante

 

 

cacador01

 

 

orco_gigantepeixe8barco2

Em tempos que já lá vão, um caçador passeava de barco no alto mar.

Decorrido algum tempo, avistou um peixe aos quadradinhos amarelos e verdes. Era realmente diferente de todos os que já vira e, para sua surpresa, falava.

– Queres ser meu amigo? – perguntou.

O caçador ficou pasmado, mas aceitou e fez amizade com o peixe.

Terminado o passeio, ao cair da noite, quando regressava a casa, avistou um vulto enorme. Julgando ser um urso, sacou da espingarda que trazia sempre consigo e Pum! Acabou-lhe com a raça. Era, afinal, o gigante da floresta.

Fora de água, o peixe não sobreviveu. O caçador aproveitou o momento (era hora de jantar), fritou-o e comeu-o com a famíla.

 

Miguel Jesus e Bruno Marques, 5º B

BRANCO

(versão original)

A neve que cai do céu,

como brancas penas d’asas

já pôs um branco chapéu

no cocuruto das casas.

 

E sobre a terra com frio

estende um lençol macio.

 

A neve é da cor da cal,

das pombas do meu pombal

e do sal,

o rei da mesa.

Branco é pureza;

toalha de baptizado,

véu de noivado.

 

 

BRANCO

(versão do Jorge Barrocas, 5º B)

 

 

A neve que cai do céu,

vem muito devagar…

já pôs um branco chapéu

para depois ir voar.

 

E sobre a terra com frio

dá-me cá cada arrepio!

 

A neve é da cor da cal

(e já pintou o meu quintal)

e do sal,

que sabe tão mal…

Branco é pureza,

lembra, de certeza,

véu de noivado. 

                              Jorge Barrocas

OS GOSTOS DE BRIOLANJA

(versão original)

                                                       A princesa Briolanja

                                                       gostava muito de canja

                                                       e de sumo de laranja.

                                                       No dia do casamento,

                                                       num estremecimento,

                                                       em vez de um palácio

                                                       pediu uma granja,

                                                       para nunca sentir falta

                                                       de sumo de laranja

                                                       nem do caldinho de canja,

                                                       coisa que na Corte

                                                       nem sempre se arranja.

                                                                          

                                                                            LETRIA, José Jorge,

OS GOSTOS DE BRIOLANJA

(versão do Bruno Marques, 5º B)

princesa2

A princesa Briolanja

gosta de bolachas

 e de sumo de laranja.

Um dia,

num estremecimento,

ralhou, exaltada,

 pediu uma granja,

 e uma taça

 de sumo de laranja.

 Foi mais um capricho fenomenal,

coisa que na corte

 é habitual!

                                                     Bruno Marques

OS GOSTOS DE BRIOLANJA

(versão do Miguel Jesus, 5º B)

A princesa Briolanja
gosta de clementinas
 e de sumo de laranja.
Certa manhã,
num estremecimento,
acordou a comer toranja,
 pediu uma granja,
e um copo cheio
 de sumo de laranja.
Decerto não há
coisa que na corte
não lembre a laranja!

 

                                                Miguel Jesus

 

 

 

 

 

VERMELHO

(versão original)

Mal o sol se levanta,

sobre o telhado

encarnado

o galo canta.

A crista dele é vermelha

como a telha,

como a papoila do prado.

 

E lá vai o Capuchinho,

à voz do cocorocó,

levar o almoço à avó,

num cestinho.

 

Fez das cerejas vermelhas

uns brincos para as orelhas.

 

Queres um conselho?

Esconde em cima do armário

esse peixinho vermelho

a nadar no aquário.

Não vá o teu gato vê-lo,

molhar a pata… e comê-lo!

 

Vermelho é cor de alegria

– Bom dia!

 

VERMELHO

(versão do Paulo Esteves, 5º B)

 

 

Mal o sol se levanta,

o galo

encarnado

canta.

A crista dele é vermelha,

é todo encarnado

como a papoila do prado.

 

E lá vai o Capuchinho,

com uma cesta,

levar o almoço à avó,

que, de tão doente, até mete dó.

 

Fez das cerejas vermelhas

um belo almoço.

 

Queres um conselho?

Vê-te ao espelho;

esse peixinho vermelho,

tira-o da camisola,

Não vá o teu gato vê-lo,

e atacar-te para comê-lo!

 

Vermelho é cor de alegria

Mas que grande fantasia!

 

 

                                                      

 

 

E EIS UMA RECEITA!panela

Palavras alinhavadas pelas últimas sílabas…

Nesta edição, deixamos a  sugestão da chefe de cozinha da Escrita Criativa:

 

açúcar

        carne

               neve

                     velas

                           lascas    

                                  castanholas 

Leve ao lume o açúcar até obter um ponto desconhecido. Adicione sobras de carne em lascas, cubra com flocos de neve e leve a gratinar. Assim que a carne estiver em banho-maria, retire do forno e sirva quente, num ambiente romântico, à luz de velas e ao som de castanholas.

 

Esta receita é indicada para combater o mau humor e ganhou um prémio de consolação no concurso de gastronomia, realizado na Terra do Nunca.

 

Vanessa Pires, 5º B

023_peixeira

 

Parece que os comerciantes também quiseram brincar com as palavras…

Carapau

           Paulo

                    Loja

                         Janota

                                     Tareco

                                                Comer

Olh’ó carapau fresquinho!

Venham senhores, é tão baratinho! O que não se vender hoje, impinge-se amanhã. O Paulo convence-o na Loja do Aldrabão.

Tão janota, o carapauzinho! Até o Tareco já veio comer.

Olh’ó carapau fresquinho! É hoje, amanhã ou, quem sabe, depois…

                     Bruno Marques e Miguel Jesus, 5º B

Com a ajuda de um mapa, os miúdos criativos desvendaram os caminhos de uma boa história.

Era uma vez um rapaz de 18 anos que foi à biblioteca da sua terra. Ele adorava ler.

treasure_mapQuando ia a tirar um livro da estante, deu-lhe um toque e a estante desviou-se. Lá atrás, encontrava-se uma múmia que falava.

A múmia disse-lhe que havia um grande tesouro no Egipto. E aventuraram-se os dois a ir à procura do tesouro.

Pelo caminho, a múmia lembrou-se que tinha um mapa debaixo das ligaduras e assim foi mais fácil encontrar o tesouro. Estava dentro de uma pirâmide.

A múmia e o rapaz dividiram o tesouro e ficaram bastante ricos. Viveram bem até morrer. Mas esperem, a múmia nunca morre, portanto viveu feliz para sempre.

Diogo Pascoal, 5º B

O João estava numa biblioteca. Por detrás de uma estante encontrou um cálice de ouro que tornava calice4as pessoas invisíveis.

De repente, foi transportado para uma floresta. Lá encontrou um extraterrestre acabadinho de chegar na sua nave. Ele levou o João para um planeta longínquo.

David Antunes, 5º B

pes

Um polícia andava à procura de um extraterrestre.

Um dia, foi dar um passeio e encontrou uma floresta mágica. Lá viu um extraterrestre a apanhar maçãs. Seguiu-o e viu-o entrar numa nave toda branca e entrou atrás dele. A nave tinha sofás confortáveis e uma Playstation2 com o jogo PES 2009. O polícia começou logo a jogar: Sport Lisboa e Benfica contra o Sporting. O Benfica ganhou 10-2.

Como o polícia gostou tanto daquela nave, foi com o extraterrestre para um planeta longínquo e ficou lá a viver para sempre.

Eduardo Urbano, 5ºB

cartas_diogo

Num brilhante dia de Outono, numa verdejante planície, um príncipe queria descobrir um segredo.

O príncipe foi, no seu cavalo branco, à procura do segredo. Pelo caminho, encontrou uma fada que se ofereceu para o ajudar.

Mais à frente, encontraram um poderoso gigante. A fada lançou-lhe um feitiço e ele ficou todo atado no meio do chão.

Um velho sábio, que conhecia o segredo, revelou-o ao príncipe que assim conseguiu o que queria.

O segredo era que, no futuro, o príncipe ia conquistar o mundo inteiro.

Diogo Pascoal, 5º B

cartas_ruben

Num chuvoso dia de Inverno, no alto mar, um lenhador queria um remédio para a constipação.

Partiu no comboio das 11, em busca de uma farmácia. Encontrou um génio bom que lhe indicou o caminho para a farmácia mais próxima.

De repente, apareceu um génio mau que fez desaparecer o remédio. Mas o génio bom conseguiu fazer outro e o lenhador curou a sua terrível constipação.

Ruben Ferreira, 5º B

cartas_eduardo

Em tempos que já lá vão, num jardim maravilhoso, uma princesa sonhava com o amor.

Um dia, foi num camelo dar a volta ao mundo e encontrou uma chave mágica. Pouco depois, apareceu um pirata que queria roubar a chave, mas a princesa lutou com valentia e matou o pirata.

A chave abria a porta do amor. Lá dentro encontrou um belo príncipe chamado Diogo. Casaram e foram muito felizes.

Eduardo Urbano, 5º B

cartas_david

Certo dia de Primavera, numa pobre choupana, um caçador andava à procura dum objecto precioso.

Como ali não havia nada, meteu-se numa máquina do tempo e foi até Abrantes. Pelo caminho, encontrou um fantasma que o ajudou.

Mais à frente, encontrou um gnomo malvado que enfrentou o fantasma. Só que o fantasma deu-lhe uma chapada nas bochechas.

E, no fim, o caçador encontrou o objecto que era uma taça de ouro e pedras preciosas.

David Antunes, 5º B

cartas_joao

Numa noite escura e fria, no alto de uma montanha, uma donzela sonhava com um tesouro.

Ela foi, numa nave espacial, procurar esse tesouro.

Encontrou uma velha que lhe disse que podia ajudar. Depois encontrou um feiticeiro malvado, mas a velha bateu-lhe com o cajado e matou-o.

A donzela encontrou o tesouro no bolso do feiticeiro.

João Marchante, 5º B

Esta actividade foi realizada com recurso às cartas “Fábrica de Histórias” da Editora Asa.

Página seguinte »